Sua empresa precisa ter uma revista corporativa customizada [!] [?]

Quando uma empresa pergunta para a Oribá se vale a pena investir tempo e dinheiro para iniciar e manter uma revista corporativa customizada, a resposta quase sempre é menos complexa do que se imagina. Na verdade, mesmo tendo muita vontade de tocar um projeto desse tipo (nossos olhos brilham!), adicionamos uma nova pergunta à conversa: “viu, mas o que mesmo o seu negócio espera alcançar com uma revista corporativa customizada”?

Antes de qualquer coisa, é preciso evidenciar que muitas empresas embarcaram nessa onda de revista corporativa customizada, mas acabaram ficando à deriva, afogadas em expectativas preliminares que não apontavam uma direção clara a se seguir nesse “marzão” de oportunidades. Definitivamente, manter uma revista própria só para dizer que tem uma “revista própria” não é o melhor dos motivos. Pra falar a verdade, é o pior deles!     

Outro erro bastante comum, que acaba queimando esse tipo de publicação antes mesmo de se entender a sua real efetividade, é não se atentar ao conteúdo. Além de artigos, matérias e entrevistas de interesse público bem embasadas e escritas, exige-se uma linha editorial contundente. Isto é, antes mesmo da primeira edição, defina os assuntos que serão abordados e demarque o limite de participação da empresa nesses mesmos assuntos.

E aqui se faz uma advertência em complemento ao último parágrafo: evite se deixar levar pela síndrome de “dono da bola”. Certo, a revista é patrocinada pela sua empresa. Ok, a revista pode até mesmo levar o nome da sua empresa. No entanto, não queira jamais tomar pra si o título de juiz desse jogo. Premissas como imparcialidade e diversidade de fontes (e de lados opostos) revelam que a sua empresa se preocupa em fomentar discussões construtivas. 

Podemos afirmar uma coisa: quanto mais maduro for esse processo de trabalho, considerando os pontos destacados até aqui, mais elevada será a qualidade da publicação produzida e, assim, mais próxima ela estará de conquistar credibilidade e leitores mais fiéis. E é dessa maneira, não tão simples quanto você imaginava, que iniciamos nosso papo sobre se vale a pena investir tempo e dinheiro para iniciar e manter uma revista corporativa customizada.  

O que a sua empresa ganha com uma revista corporativa customizada

Interagir com os seus públicos-alvo, sejam eles clientes, funcionários, fornecedores e parceiros, deve ser o primeiro grande foco da sua empresa. Tenha certeza de que é possível cativá-los e até mesmo fidelizá-los fornecendo notícias e informações de interesse público. Criar leitores fiéis é uma excelente maneira de ter a atenção deles quando você precisa lançar um produto, apresentar serviços e mostrar tudo mais que seja estratégico para a sua marca.

Ainda não falamos, mas claro que a temática escolhida para essa publicação precisa ter clara relação com o ramo de atuação da sua empresa e, mais do que isso, abraçar uma causa defendida por ela. Com uma bandeira que seja estratégica para o seu negócio e que faça sentido se apoderar para gerar discussões sobre o tema, naturalmente a sua marca se torna mais reconhecida por acreditar, defender e engajar dentro de uma temática especifica e por compartilhar conhecimento. 

Na Oribá, tivemos o privilégio de planejar e produzir a “Mobilidade em Revista”, publicação bimestral que contava com edições impressas e online. Ela foi criada para celebrar o aniversário de um ano da Ticket Log, do grupo francês Edenred. Pontuamos que adotar o nome da empresa como título, como era a intenção neste caso e geralmente é a tendência por aí, poderia levar os leitores a questionarem o quesito imparcialidade. Por isso, preferiu-se utilizar “Mobilidade”, justamente a bandeira levantada pela companhia em sua estratégia de negócio.

Com projeto visual moderno e conteúdo muito rico, a “Mobilidade em Revista” logo ganhou a simpatia de todos os públicos da empresa. Vale ressaltar, claro, que existia espaço nela para falar sobre a Ticket Log - tanto em páginas de anúncios como no espaço “Editorial” e na editoria “É de Casa”, reservada a novidades da empresa. Esse foi o “limite” pré-estabelecido para não torná-la ‘caseira’ demais e, por consequência, de nenhum interesse para o mercado. Todas as demais páginas, entretanto, eram dedicadas para novidades do setor, sobretudo se tivessem relação com públicos estratégicos da empresa. Clientes e fornecedores, por exemplos, sentiam-se especiais ao serem procuradores como fontes para as matérias.  

Consegue perceber o poder de uma revista corporativa customizada? Isso porque ainda nem falamos que as áreas de Marketing e Comercial podiam barganhar benefícios/permutas com players ao oferecer espaços jornalísticos e publicitários. A “Mobilidade em Revista” tinha seus milhares de exemplares distribuídos para todo o Brasil e uma considerável taxa de leitura da versão online. Falamos de alcance de público qualificado que interessaria inúmeras empresas do segmento.

A partir do momento que a sua empresa consegue ligar todos esses pontos, tornando a sua publicação atrativa tanto para que lê como para quem é fonte do conteúdo, as páginas que vocês têm dedicadas a publicidade passam a ter valor. É nessa parte da história que você recupera o capital investido para mantê-la - e pode até lucrar, por que não?! – e segue fazendo brilhar os olhos de quem se relaciona com a sua empresa (construção de imagem e reputação).

E, assim, somente assim, a sua marca e o seu bolso vão agradecer muito!

Pensa em criar uma revista ou um jornal para a sua empresa? Nós da Oribá com certeza podemos te ajudar. Preencha o formulário abaixo com os seus dados ou nos dê uma ligada.   

 

Previous PostAs empresas estão preparadas para lidar com o minimalismo?
Next PostCom vocês, Eduardo Martini
Comentários (0)
Deixe seu comentário